domingo, 17 de fevereiro de 2008

Crónica Técnico - CDUP por Becas

O CDUP foi ao Técnico jogar os quartos de final da taça de Portugal depois de um fim de semana de descanso. Com algumas lesões, que levaram a alterações na equipa, os treinadores optaram pelo seguinte XIII:

1 – Xica Campos

2 – Maria Branco

3 – Inês Tex

4 – Maria Vareta

5 – Beni Ribas

8 – Izi

9 – Maria Joao

10 – Becas (cap.)

11 – Maria Ana

12 – Carlota

13 – Leonor

14 – Liberty

15 – Maria Ferreirissima

16 – Catarina Couto

17 – Carlota

18 – Francisca Cunha

19 – Biba

O CDUP entrou no campo decidido a ganhar o jogo e logo aos 2 minutos beneficiou de uma penalidade convertida pela abertura fazendo o 3-0, resultado que se manteve durante quase toda a primeira parte do jogo.

A partir daqui o jogo ficou marcado pela defesa agressiva do Técnico que impedia o CDUP de sair do seu meio campo. O Técnico teve ainda duas oportunidades para igualar o resultado, mas a numero 15 não conseguiu converter as penalidades de que beneficiou. Já no final da primeira parte, o CDUP consegue fixar o jogo na área de 22 metros do Técnico, e com alguma pressão, provocou o erro da equipa adversária, recuperação de bola, ensaio da numero 10 verde, não convertido. Intervalo e o CDUP vencia por 8-0.

Na segunda parte, o Técnico entrou disposto a dar a volta ao resultado. Já perto do final do jogo o CDUP cede uma penalidade muito perto dos postes que a arrier do Técnico converte com facilidade. 8-3. O CDUP defendia como podia. De um momento de desconcentração e de uma falha de placagem resultou o ensaio do Técnico, no meio dos postes, mais uma vez pela arrier que entrou muito bem na linha de ¾. Ensaio convertido. 10-8. Ainda houve tempo para uma arrancada da Maria joão que quase resultou em ensaio, mas o CDUP já não teve forças para marcar os pontos que dariam a vitória. Final do jogo.

O sonho de ir mais longe na taça ficou por aqui. Tenho a certeza absoluta que demos tudo dentro de campo e que, se não foi suficiente, então, o mérito foi todo da equipa do Técnico. Muitos parabéns.

Quanto a nós, levantamo-nos, sem nunca esquecermos o que sentimos depois daquele jogo. Porque assim, esforçamo-nos o triplo nos treinos para não termos de o voltar a sentir.

Venham os Sevens!



Crónica por Isabel Furtado (Becas)