terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Agronomia - CDUP

(Biba, com uma cara espéetacular! Fotografia de Miguel Carmo: www.fotorugby.blogspot.com)
Num fim de semana que se previa muito frio e neve, o CDUP deslocou-se à Tapada para defrontar a equipa da Agronomia.

Com algumas ausências, os treinadores foram obrigados a fazer algumas alterações na equipa.

Com o jogo marcado para o campo sintético, este foi alterado, passando para o campo principal da Tapada.


O CDUP alinhou e marcou da seguinte forma:


1- Francisca Campos (5+3+2)

2- Inês Teixeira

3- Isabel Furtado (5)

4- Joana Oliveira ( aka SSanicas)

5- Benedita Ribas

8- Mariana Oliveira (Nini)

9- Benedita Abreu (Biba)

10 - Gorda (5)

11- Francisca Cunha

12- Carlota Gouveia

13- Isabel Ozorio (5+5+5)

14 - Teresinha Negrão

15 - Ana Maria


Suplentes: Maria Branco e Adelaide Gouveia ( aka Gregins)


Com alguns atrasos, o jogo começou e sem árbitro oficial. Foi então um adepto/jogador do clube da casa que fez o favor de apitar o jogo.

A Agronomia entrava melhor no jogo e a sua nr 10 destacava-se. Passado pouco tempo, o CDUP acordou e começou a pressionar a equipa adversária.

Seria pela pressão colectiva, mais especificamente da sua nr 8, que chegava ao ensaio, ao intersectar uma bola e a marcar.

Com o jogo dominado pelo CDUP, voltaríamos a marcar desta vez fruto dum movimento atacante começado na touche ( que esteve bem em toda a partida) onde o entrosamento entre entre a formação e a abertura ( outro aspecto positivo do jogo) davam frutos, abrindo a bola até à 2º centro que se encarregou de marcar o 2º ensaio do jogo.

A Agronomia subia e atacava a linha defensiva do CDUP, e após um turnover nosso, voltávamos a marcar através da 2º centro que percorria mais de meio campo em sprint e marcaria entre os postes, onde este seria convertido pela Francisca Campos.


Começada a 2ª parte, o jogo não estava muito interessante, apesar de ter bons movimentos das duas equipas e principalmente, uma defesa muito agressiva por parte do CDUP.

Voltávamos a marcar pela 2º centro, após bom entendimento entre a Maria João Mamede, Carlota Gouveia e Isabel Ozorio.

A meio da 2ª parte a indisciplina foi aumentando, principalmente pela 2º centro que mais tarde passaria para médio de formação, após lesão da capitã Benedita Abreu, que passaria para nº15.

Facto que se foi arrastando e fazendo com que a equipa por vezes perdesse o sentido de jogo e diminuísse tanto em exibição como em pontos.

A defender com grande agressividade, o CDUP marcaria novamente, após intersecção da pilar Francisca Campos, que correria mais de 22m para marcar o 5º ensaio da tarde.

De seguida foi a vez da outra pilar, Isabel Furtado, que na ponta do lado esquerdo, após entendimento com a jogadora do lado ( não me lembro quem era!), marcaria o 6º e último ensaio da equipa do norte.

A Agronomia queria a todo custo marcar, e após uma jogada de várias fases de avançados, marcaria o seu ensaio de honra pela sua nr 8, Maria Heitor.

A pilar e chutadora de serviço deste jogo, Francisca Campos encarregou-se de marcar uma penalidade que fechava o resultado final em 35-5 a favor das visitantes.


O próximo jogo é de GRANDE importância e é frente ao Técnico!

Jogamos em casa, se bem que emprestada, mas mesmo assim temos um grande jogo pela frente...E para ganhar!

Por isso todas aos treinos e cheias de vontade para entrar no campo Domingo às 15h!


beijinhos


izi

4 comentários:

Anónimo disse...

(retirado do site da FPR)

RUGBY, UM JOGO PARA GENTE BEM-EDUCADA

Nós, gente do rugby, gostamos, mostrando o diferente que nos sentimos, de publicitar a definição do jogo no conceito "um jogo de rufias jogado por gente bem-educada" - já não por cavalheiros porque, como também sabemos, os homens não são únicos na modalidade.

E há toda uma profunda razão para o definirmos assim. Desde sempre o jogo de rugby tem uma ética própria subordinada a um conjunto de valores que se estabelecem no seu "Código do Jogo". De facto, existe toda uma maneira de estar que se pretende diferente e tradutora de uma cultura distinta em que o respeito, o "fair-play", o espírito colectivo de equipa, o companheirismo, a abnegação, a boa educação constituem algumas das componente de valores e atitudes que formatam a envolvente do jogo.

E assim sendo, é natural que possamos utilizar, com orgulho, a marca da diferença - um amigo meu, médico e frequentador internacional de estádios de futebol, viu, pela primeira vez, um jogo de rugby no França-All Blacks do centenário da FFR: não julgava possível, dizia, a confraternização permanente entre os espectadores adversários que o rodeavam. Espantado, tornou-se adepto.

Mas se pretendemos sê-lo, devemos, no mínimo, parecê-lo. E o que se passa à volta dos nossos campos em dia de jogo não pertence a este mundo edílico que pretendemos transmitir aos de fora. Espectadores, antigos jogadores na sua maioria, insultam árbitros e adversários, chamam nomes a quem bem querem e comportam-se como rufiotes numa constante demonstração arruaceira, deixando - para inglês ver - a proclamação da pretendida boa educação.

O jogo de rugby não é fácil de gerir. Os árbitros, como os jogadores, têm dificuldades na análise da sequência pela rapidez da acção e pelo número de intervenientes. Mas próximos e se pertencentes ao mesmo patamar, vêem melhor e analisam quase sempre melhor. E, na grande maioria dos casos, tomam a decisão correcta e são os espectadores que, ignorantes da Lei, protestam violentamente, impondo a emoção à razão, pressionando para que a sua cor, apesar de faltosa, deixe de ser "roubada!".

Nada deste comportamento se justifica ou ajuda o rugby português no seu desenvolvimento e progressão. Pelo contrário: desfocaliza jogadores, pressiona treinadores e árbitros de forma desadequada, retira lucidez aos intervenientes e transforma o jogo num espectáculo nada dignificante e que só diminui o campo de influência da modalidade.

Precisamos de melhorar todos os dias o rugby que se joga em Portugal. Para o que necessitamos de melhores treinadores, melhores jogadores, melhores árbitros, melhores dirigentes. Numa vontade que dispensa claramente os piores exemplos da Blood, Sweat and Beers de antanho.

E se, em vez deste comportamento trauliteiro e para começar o novo ano, fizéssemos um esforço para aprender as Leis do Jogo e a sua aplicação prática? Um esforço para que os treinadores fossem exigentes com os seus jogadores, educando-os de acordo com as Leis do Jogo; um esforço dos dirigentes para imporem o rigor das Leis do Jogo nas equipas dos seus clubes e decente comportamento aos seus adeptos; um esforço dos espectadores para que se comportassem como gente bem-educada. E se não há, como também sabemos, jogos sem árbitros e para um futuro com tudo a correr pelo melhor, porque não tentar uma parceria: criar o hábito de convidar os árbitros para se treinarem semanalmente com os diversos clubes.

Talvez assim pudéssemos fazer compreender a marca da nossa diferença: no Rugby, a vitória, sendo importante, não é o mais importante; o mais importante é poder pertencer a uma comunidade muito especial - a comunidade rugbística.

Lisboa, 1 de Janeiro de 2009

João Paulo Bessa

Dibiana disse...

Titi! grande resumo do jogo! gostamos imenso! até já tinha saudades disto... cheia de piada!

SINTONIA NO OBJECTIVO!.. e que seja um bom jogo no domingo!

Anónimo disse...

Isabel e meninas do CDUP

Gostei muitissimo do vosso jogo hoje no CDUP. Mostraram raça, disciplina, técnica e vontade.Gostei das decisões inteligentes que vos fizeram ganhar o jogo.Gostei do vosso verde misturado no cinzento do dia, mas rugby joga-se em qualquer sitio e de qualquer maneira, haja vontade.
Parabéns a todas.
Para ti Isabel, espero ver uma história ou comentário no site do CDUP.
Para vocês equipa espero que procurem histórias e comentários no site do CDUP.
O jogo ñão existe sem clube e o clube não existe sem vocês. Todos somos poucos mas todos juntos fazemos e mostramos como este clube é GRANDE.
Espero por vocês .. lá
Gonçalo Borges

Anónimo disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,