terça-feira, 11 de setembro de 2007

In Record

O treinador-adjunto da Nova Zelândia, Wayne Smith, garantiu hoje que a equipa não vai facilitar frente a Portugal, mas negou que queiram "humilhar" a formação de Tomaz Morais.
"Não queremos humilhar ninguém, esperamos mesmo que isso não venha acontecer.
Queremos fazer um jogo que as pessoas possam gostar, incluíndo os próprios jogadores de Portugal. É isso que todos queremos", afirmou Wayne Smith.

Após a vitória esmagadora frente a Itália por 76-14 no jogo estreia, as atenções dos "All Black", principal candidato ao título, viram-se agora para Portugal.
"Não podemos desrespeitar uma equipa que se qualifica para o Mundial. Eles estão ansiosos por jogar contra nós e temos de fazer bem o nosso papel", apontou o treinador-adjunto.

De modo a não lesionar os jogadores de Portugal, Wayne Smith adiantou que a equipa vai "jogar com orgulho e mostrar alguma sensibilidade, mas não muita".

Por sua vez, o centro Luke McAllister alertou os "lobos" a respeitarem o "haka", ao contrário do que aconteceu com a Itália, onde os "azzurri" ignoraram a tradicional dança maori. "Os italianos não respeitaram o nosso haka. A tradição diz que o adversário deve ficar de pé, olhar para nós e respeitar a dança. Eles não fizeram isso, desrespeitaram-nos e isso provavelmente deixou-nos mais furiosos", referiu.